Saltar para o conteúdo

2001: Uma Odisseia no Espaço

(2001: A Space Odyssey, 1968)
8,9
Média
1272 votos
?
Sua nota
Direção
Stanley Kubrick
Roteiro:
Stanley Kubrick (roteiro), Arthur C. Clarke (roteiro e história)
Gênero:
Aventura, Ficção Científica
Origem:
Estados Unidos, Inglaterra
Duração:
139 minutos
Prêmios:
41° Oscar - 1969

Lupas (129)

  • É bem adaptado,conta com um dos vilões mais infelizes da história do cinema,a cena de abertura é sinistra,a trilha sonora é amável,e o final é alucinógeno.

    Ivan Sousa | Em 05 de Janeiro de 2020 | NOTA: 10.0
  • Filme magnífico.

    Ennio Santos Melo | Em 27 de Março de 2019 | NOTA: 10.0
  • Nunca em um filme a junção de movimento e som foi tão encantador, um verdadeiro baile de primor técnico, com pitadas de psicodelia e onirismo marcantes no último ato.

    Jefferson Gomes Da Costa | Em 14 de Janeiro de 2019 | NOTA: 10.0
  • Sou suspeito ao falar de 2001, dado esse ser um do meus filmes favoritos. Todavia, digo, sem privilégios, que essa é a experiencia visual definitiva. Nada supera 2001 visualmente. Além disso, o filme é soberbo como um todo. Nietzsche chorraria vendo-o.

    Matheus Batista Patrocínio de siris | Em 26 de Dezembro de 2018 | NOTA: 10.0
  • Kubrick só consegue instigar meu pensamento na cena final.Ali encontram-se as verdadeiras discussões propostas, mas sinceramente eu esperava que esta discussão existencial já fosse levantada desde o principio, o filme se torna vazio em seu desenvolvimento

    Eliezer Lugarini | Em 29 de Novembro de 2018 | NOTA: 8.0
  • Uma proeza de realização da imagem, dos sentidos, do mistério, da poesia, da existência. É a construção de um objeto mítico, inevitável e imponente. Filme de natureza exploradora, dominante, elevada. Será que palavras satisfazem? Obra-prima absoluta!

    Zacha Andreas Lima | Em 25 de Abril de 2018 | NOTA: 10.0
  • No que diz respeito ao futuro, estamos ali às voltas com algumas situações não menos estressantes,como a hipótese de inteligências artificiais superarem e mesmo dominarem o engenho humano.A hipótese de um mundo em que a figura humana já não seja central.

    Edward Jagger DeLarge | Em 01 de Abril de 2018 | NOTA: 10.0
  • Kubrick explora os limites da Sétima Arte e da Humanidade nesta obra-prima épica, filosófica e poética.

    Mister Charles | Em 13 de Janeiro de 2018 | NOTA: 10.0
  • Kubrick: "Alguém disse que o Homem atual é o elo perdido entre os macacos e o Homem civilizado. Pode-se dizer que essa é a história de 2001, também".

    Renato Abbt Keppe | Em 12 de Dezembro de 2017 | NOTA: 9.5
  • Em todos esses pouco mais de 100 anos de Cinema não existe nenhum filme mais instigante e que mais traduz o poder do som e imagem como 2001: Uma Odisseia no Espaço.

    Chrystian | Em 08 de Dezembro de 2017 | NOTA: 10.0
  • A relação do homem com a tecnologia destrinchada numa explosão sensorial e de reflexão existencial/metafísica. A estética espacial em forma de valsa. É o cinema elevando uma obra literária a um estágio q ela jamais chegaria. A parte Pré-História já é foda

    Josiel Oliveira | Em 31 de Maio de 2017 | NOTA: 10.0
  • 2001: A Space Odyssey é um filme confuso, eu sei, mas, que lhe desafia e lhe empurra numa narrativa maravilhosa, com um roteiro esplendido. Nota: 9.1

    Joao Marco Silva Batista | Em 11 de Maio de 2017 | NOTA: 10.0
  • Antes de 1994. - O mais belo espetáculo sensorial do cinema.

    Eduardo Scutari | Em 21 de Abril de 2017 | NOTA: 10.0
  • Nessa jornada que abraça a história da humanidade em atos e repleta de discussões não se esgotam na própria obra, Kubrick demonstra a razão de ser um dos maiores (talvez o maior) da história. Dos trabalhos visuais mais impressionantes do cinema.

    Gabriel Frati | Em 12 de Abril de 2017 | NOTA: 8.5
  • O maior.

    Vinicius Lins Magno Ferreira | Em 27 de Março de 2017 | NOTA: 10.0
  • A assepsia e mecanicismo dividem lugar com a explosão pontual de cores e com a cadência ou eloquência do som, seja a trilha de Strauss, seja a voz candente do HAL 9000.

    Luís F. Beloto Cabral | Em 22 de Fevereiro de 2017 | NOTA: 9.0
  • Primor máximo de Kubrick; uma ode à arrogância humana.

    Leandro Martins | Em 27 de Dezembro de 2016 | NOTA: 10.0
  • As metáforas que Kubrick deixa durante o filme, fazendo com que o expectador interprete e tire suas próprias conclusões é um dos seus segredos para essa paixão em torno do filme, além dos efeitos especiais.

    Bruno Ricardo de Souza Dias | Em 28 de Novembro de 2016 | NOTA: 9.5
  • Kubrick transitou entre gêneros diferentes e conseguiu ser revolucionário em todos. Mas esse filme sempre será a joia da coroa.

    Italo Augusto | Em 27 de Outubro de 2016 | NOTA: 10.0
  • Foi essa obra que transformou Kubrick em um visionário fora de seu tempo. Foi essa obra que revolucionou e influenciou anos de cinema. Foi essa obra que levou às telas questões filosóficas fascinantes. Foi essa obra que previu o futuro!

    André Luís da Silva Coutinho | Em 11 de Setembro de 2016 | NOTA: 10.0