Saltar para o conteúdo
8,5
Média
609 votos
?
Sua nota

Lupas (43)

  • Allen, Nova Iorque e o cinismo romântico num dos filmes que melhor condensam a leveza e a substância do texto característicos do diretor.

    Felipe Lima | Em 26 de Abril de 2018 | NOTA: 8.5
  • 09/12/06 - Uma declaração de amor à Manhattan e a linda fotografia em preto-e-branco e em widescreen das locações da cidade de Nova York já valem o filme. Ainda tem a magnífica trilha-sonora com músicas de Gershwin tocada pela Filarmônica de Nova York.

    Eduardo Scutari | Em 14 de Maio de 2017 | NOTA: 9.0
  • Aquela comédia romântica gostosa que só Woody Allen sabe fazer. Uma ótima fotografia, atuações convincentes e um roteiro bem criativo. E, como sempre, Allen interpretando Allen!

    André Luís da Silva Coutinho | Em 21 de Março de 2017 | NOTA: 9.0
  • Engraçado demais, lobado de referências, cínico e muito vivo ao mostrar os relacionamentos e suas decepções, usando muito de sua própria imagem derrubada. Dos melhores de sua fase inteligente. Definiu seu estilo.

    Adriano Augusto dos Santos | Em 27 de Novembro de 2016 | NOTA: 9.0
  • Uma verdadeira relação de amor e ódio aos cosmos que todos habitamos, e no caso, Woody e sua ilha de Manhattan, numa visão única em PB de quem respira aqueles ares. Uma das ótimas comédias americanas dos anos 70.

    Douglas Rodrigues de Oliveira | Em 03 de Agosto de 2016 | NOTA: 8.5
  • Dos que assisti é o melhor do Woody Allen. Algumas tomadas de NY são pra pausar e ficar admirando. Bom demais!

    Júnior | Em 24 de Julho de 2016 | NOTA: 9.5
  • Se ANNIE HALL é inventivo, metalinguístico, multifacetado e colorido, MANHATTAN é clássico, preto e branco, com estrutura tradicional e mais sóbrio, mas ambos são maravilhosos. Allen matando a pau na direção e no roteiro.

    Fabio Bach | Em 06 de Junho de 2016 | NOTA: 9.5
  • A fotografia destaca as belezas de NY, que casam perfeitamente com o P&B, e o roteiro é bem amarrado - como um Allen das antigas sabe bem como ser -, discutindo relacionamentos e essa nova sociedade que ia surgindo.

    Gabriel Frati | Em 13 de Abril de 2016 | NOTA: 8.0
  • "Oh! Baby, baby, só vendo pra crer."

    Landerson DSP | Em 22 de Janeiro de 2016 | NOTA: 9.0
  • Impressiona, além da riqueza textual típica de Woody Allen, a proximidade cronológica da obra com nossa atualidade. O que as gerações futuras irão pensar de nós?

    Gabriel Drummond | Em 21 de Dezembro de 2015 | NOTA: 9.0
  • O ambiente é mágico, mágico mesmo. E tudo que Allen queria era homenagear .. e, ironicamente, é o seu filme-testamento.

    Nilmar Souza | Em 29 de Julho de 2015 | NOTA: 9.0
  • Belíssimo filme de Allen que transforma Manhattan numa verdadeira obra de arte. Dá vontade de enquadrar um par de cenas e colocá-las na parede. Destaques para a fotografia da obra, a trilha sonora de Gershwin e pra presença iluminada de Mariel Hemingway.

    Diego de Mendonça Costa | Em 14 de Junho de 2015 | NOTA: 8.0
  • A sinfonia de Woody Allen!

    Wellington Conegundes da Silva | Em 02 de Dezembro de 2014 | NOTA: 10.0
  • Allen, montando um dos seus mais belos filmes em imagem, o tom preto branco acaba deixando mais belo, porém o longa acaba deixando cansativo

    Anderson Ricardo | Em 01 de Julho de 2014 | NOTA: 8.0
  • Revendo mais uma vez, Manhattan nunca perde o brilho.

    Vanessa Soria | Em 25 de Março de 2014 | NOTA: 9.0
  • Romântico e suave na medida certa, Allen homenageia New York em preto e branco no que eu diria que é um "filme com alma", que praticamente cria vida conforme desenvolve o enredo.

    Diego Henrique Silveira Damaso | Em 20 de Fevereiro de 2014 | NOTA: 9.0
  • Yale: You are so self-righteous, you know. I mean we're just people. We're just human beings, you know? You think you're God. Isaac Davis: I... I gotta model myself after someone.

    Don Yudòn | Em 02 de Dezembro de 2013 | NOTA: 8.0
  • Não passa de um filme charmoso!

    Moisés Costa Lins | Em 02 de Novembro de 2013 | NOTA: 7.0
  • Woody já muito dizia sobre Manhattan, quando ele se volta pra esse filme, ele nos mostra dois amores se desenvolvendo na tela, o amor do personagem principal (Isaac) por duas mulheres e sua paixão pela cidade, com um presente lindo que é a cena da ponte.

    Luis Felipe | Em 09 de Outubro de 2013 | NOTA: 10.0
  • Flutuei durante uma hora e meia e pousei. Por mais diversas formas, Allen retrata sua paixão pela cidade, assim como revela os relacionamentos reais e complicados nela, estabelecendo uma relação mágica entre a cidade, os personagens e o espectador.

    Bruno Kühl | Em 03 de Agosto de 2013 | NOTA: 10.0